Throes + The Shine

  • Twitter - Black Circle
  • Bandcamp - Black Circle
  • SoundCloud - Black Circle

PT / AO  (Booking Worldwide except Europe)

É rock? É kuduru? Não! É Rockuduru!

Os Throes + The Shine encarnam aventura e vitalidade. Usam cada grama da sua criatividade para darem origem a algo singular, que explode numa energia completamente efusiva em palco. Oriundos do Porto e de Luanda, a sua génese tem como base a fusão do kuduro com o rock, mas os seus horizontes abraçam uma multitude de culturas que podem ir de África à Europa ou da América do Sul aos Estados Unidos.

Desde a sua formação em 2011 a banda tem marcado presença nos principais palcos nacionais. Internacionalmente já actuou em palcos tão importantes como Roskilde (DK), Lowlands (NL), Rock En Seine (FR), Paleo Festival (CH), Colours Of Ostrava (HR) e muitos mais.

 

Depois de Rockuduro (2012), Mambos de Outros Tipos (2014) e Wanga (2016), lançam em 2019 Enza, o disco que marca a consolidação e maturidade da banda. Há um sentido de aventura muito mais pronunciado, com viagens a léxicos e géneros muito mais diversos e que abrem novas avenidas para o futuro da banda. Com assistência à produção de Jori Collignon (Skip&Die) e colaborações com Cachupa Psicadélica, Mike El Nite, Selma Uamusse e Sotomayor, Enza é uma visão plural, um universo onde géneros e influências díspares convivem em louca harmonia.

PRESS

“A Portuguese-Angolan rock and kuduro fusion collective has collaborated with Buenos Aires’ La Yegros and the result is marvelous. Filled with buoyant steel pan sounds, “Guerreros” by Throes + The Shine screams carnival with the Argentine vocalist La Yegros singing a powerful hook in Spanish.”
Gina Vergel in Sounds and Colours

 

“A Eira foi depois protagonista do concerto que marcou todo o festival. Throes + The Shine, fizeram levantar poeira, num concerto em que não deu para ficar parado. (...) fazem a festa, trepam, saltam, vêm para o meio do povo, e voam. Servem rockuduro que faz transpirar. Foram gigante e provaram porque têm tocado tanto lá fora.”

Nuno Ávila sobre o concerto de Troes + the Shines no Bons sons  in RUC

 

“Throes + The Shine has picked up on music’s traditional effect, and produced us a festive album that is poignant, loud, and intense. The  intended festivity of the songs gets lost in translation, and instead it’s some of the sounds in the production that blows one’s mind the most and the polyrhythms that push one to feel amazed.”

Adorf Azulphar in Rythm Passport