Nascido e criado na zona sul de São Paulo, no Jardim Iporanga, o cantor e MC Rael começou a construir a sua história no rap com o grupo Pentágono, que se tornaria referência no rap nacional. 

 

Em 2010, lançou o seu primeiro disco a solo, "MP3 - Música Popular do Terceiro Mundo", com o qual teve a oportunidade de ir em tour pelo Canadá. Em 2013 veio “Ainda Bem que Eu Segui as Batidas do Meu Coração”, o primeiro pelo selo Laboratório Fantasma, produzido pelo duo norte-americano K-Salaam & Beatnick. 

Depois de rodar o país com a turné do álbum, teve a oportunidade de se apresentar no lendário Joe’s Pub, em Nova York. A casa é conhecida por receber o primeiro concerto de Amy Winehouse nos EUA e nomes como Adele, Mos Def e Norah Jones. 

 

Em 2013 Rael viu ainda o seu “Ainda Bem” indicado ao prêmio de melhor álbum de música compartilhada no Prêmio Multishow. Em 2014, colocou nas ruas o EP “Diversoficando”, numa ação inédita: o trabalho foi disponibilizado para audição em muros de São Paulo e do Rio por meio de dispositivos instalados pelo próprio Rael. A iniciativa virou notícia de Norte a Sul do país, e o single “Envolvidão”, passou a ser uma das mais pedidas das rádios. 

Hoje, a faixa já passa dos 70 milhões de visualizações no YouTube. 

 

O seu novo projeto, “Coisas do Meu Imaginário”, tem produção de Daniel Ganjaman e participações de Chico César, Ogi e Black Alien, entre outros.  Lançado em 2016, rendeu a Rael presença nas principais listas de melhores do ano, além do Prémio da Música Brasileira de Melhor Cantor.

No ano seguinte, com a tour do álbum faria um concerto celebrado como um dos melhores do palco Sunset, no Rock in Rio, convidando Elza Soares. O ano de 2017 ainda seria marcado pela estreia de um novo espectáculo, que segue rodando o país, em homenagem a Vinicius de Moraes. 

PRESS

As novas músicas exaltam sentimentos positivos, o que faz com que o novo disco possa ser enquadrado na categoria “good vibes“. - Pedro Henrique Pinheiro 8/11/2019, Tenho Mais Disco que Amigos.

 

E falando em bênçãos e amor, Rael vem com o disco ‘Capim Cidreira’. O nome do álbum se deu por conta de uma lembrança materna: sua avó era benzedeira e fazia muito chá de capim cidreira.

Israel Augusto 21/11/2019, Jornal do Rap