O projeto Lavoisier, foi construído sobre a necessidade interior de fazer música. Se é cantado em português ou em inglês, não importa, já que o principal objetivo é cumprir o primeiro instinto traçado, a música. Lavoisier é um casal português influenciado um pelo outro e por todo o mundo de sensações que a música pode trazer. Enquanto compartilham o mesmo espírito dos tropicalistas, Michel Giacometti e Fernando Lopes Graça, que se dirigem à sua própria expressão musical, sem medos e sem preconceitos sobre nada.

No início da década de 1970, um movimento começou a crescer no Brasil, com Caetano Veloso e Gilberto Gil bem como com os seus apoiantes mais entusiastas. Ambos usaram a antropofagia (ato de canibalismo praticado entre tribos antigas em todo o mundo, ato de comer alguém de sua própria espécie) como um caminho para o que eles chamaram de "Tropicalismo", uma vez que também sentiam que estavam "a comer" Música europeia, americana e africana, e com essa digestão, em vez de uma identidade musical muito pura, estavam a misturar o “caldeirão” da própria música. Também no final dos anos 60, início dos anos 70, uma série chamada “O Povo que Canta” estava a ser gravada e produzida em Portugal. Esta série teve como objetivo recordar antigas canções folclóricas portuguesas, que foram deixadas intocadas pelos processos de industrialização. Este projeto foi liderado por Michel Giacometti, com a notável ajuda de Fernando Lopes Graça. Os dois tiveram um papel importante não apenas na reunião de tais bens preciosos da cultura portuguesa, mas também no estudo fundamental da música popular portuguesa que desenvolveram.

Liderado pelo espírito de "tropicalismo", Lavoisier vê a música não apenas como uma questão de individualidade, mas como um senso completo de consciência e presença no mundo em que estamos vivendo agora. Um mundo que já existia antes.

 

PRESS

“Ouvir Giacometti em Berlim deu “novos paradigmas” à música portuguesa”

Nuno Pacheco  in Público

 

“O guitarrista Roberto Afonso e a cantora Patrícia Relvas formaram os Lavoisier com a intenção de levar uma nova dinâmica à música popular, num estilo pessoal, que acaba de desembocar em É Teu, álbum de estreia, com temáticas poéticas variadas e momentos de exploração sonora que evidenciam a voz expressiva de Patrícia e o dedilhar preciso de Roberto.”

Pedro Salgado in Sábado

“Os Lavoisier pegam na tradição musical portuguesa e recriam-na.”

Bruno Martins in Antena 3