Reconhecido recentemente por ser o criador e director do premiado A Mulher do Fim do Mundo, que uniu a diva do samba Elza Soares à elite musical contemporânea de São Paulo, o baterista, percussionista e produtor musical, apresenta-se em nome próprio, num trabalho 

construído com muitas edições, sequências, samples e programações. A partir de sons gravados (a maioria deles acústicos), Kastrup não soa a um disco electrónico. Flui organicamente, entre riffs e ruídos, assobios e sopros, cordas e tambores. A estética da colagem imprime-lhe um caráter original que, conjugado à musicalidade espontânea dos fraseados e batuques, consegue nos embalar e surpreender a cada compasso.

 

Kastrup tem colaborado, ao longo de vários anos, com grandes nomes da Música Brasileira como Adriana Calcanhoto,  Arnaldo Antunes, Chico Cesar,  Maria Bethânea, Ney Matogrosso, Tom Zé, Vanessa da Mata e Zeca Baleiro entre muitos outros.

 

O seu primeiro disco a solo, Kastrupismo é, citando Arnaldo Antunes, um "álbum Instrumental com pegada de canção, experimental mas saborosamente pop; música para ouvidos livres.” A elegância das combinações instrumentais; a profundidade das misturas; a sofisticação rítmica; a liberdade no cruzamento de géneros; a riqueza dos detalhes, dinâmicas, timbres — tudo se combina aqui para apresentar um disco original e envolvente, que incita a ouvir-se repetidamente. Uma banda sonora para o filme da vida.

Uma combinação eletrizante das raízes da música brasileira com a música electrónica e o jazz.

Ponto de Mutação, o seu segundo trabalho autoral, é a maturação do seu trabalho a solo. Um disco bem diferente do Kastrupismo – que embora partilhe a  busca da construção de uma música imagética, as imagens que Ponto de Mutação evoca têm outro espírito e uma sonoridade muito mais densa e intensa, uma vez que são o reflexo dos nossos tempos turbulentos.

Isspirado pela visão sistêmica contida no livro homónimo do físico e ambientalista Fritjof Capra, Ponto de Mutação  conta  com a participação músicos e artistas plásticos como  Ná Ozetti, Alessandra Leão, Kiko Dinucci, Marcelo Cabral, Ricardo Herz,  Alexandre Ribeiro, Swami Jr, Virginia de Medeiros, Vinicius Leonel e  Anna Turra entre muitos outros. Um disco que foi lançado emformato site que pode ser visto e ouvido aqui: http://pontodemutacao.guilhermekastrup.com/


PRESS


“A elegância das combinações instrumentais, a sofisticação rítmica, a liberdade no cruzamento de géneros e a riqueza de detalhes farão deste concerto um dos mais interessantes desta edição do Raízes.”

Orlando Drumond in Diário de Notícias (PT)
 
“Kastrupismo – Podia até ser considerado um verbo. Porque é fácil de ser conjugado. É simples, humano e natural. Como se aquela percussão toda fosse o baticum do nosso coração que vai ressoando junto com a música. Mesmo ritmo, mesma toada. Traz uma dose meio ancestral, como se tudo fosse de um tempo passado em que não vivemos, mas nos lembramos. Sim, é isso. É o que melodia nos faz sentir.”  

Dayana Pinto in Jardim elétrico, Brasil