Elza Soares

  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

BR  (Booking Europe)

Uma das maiores personalidades da história da música popular brasileira, Elza Soares voltou de maneira avassaladora à cena musical com “A Mulher do Fim do Mundo”, o primeiro álbum de inéditos da sua carreira.
 
Com mais de 80 anos e quase sete décadas de palcos e aplausos nos ombros, Elza é muito justamente apontada como uma lenda viva, uma força da natureza que sobreviveu a tragédias pessoais, ao desenrolar das décadas, às mil e uma transformações do mundo da música, como uma verdadeira relíquia que o presente aprendeu a amar.


“A Mulher do Fim do Mundo” foi distinguido como um dos melhores álbuns de 2016 por publicações de todo o mundo, do Guardian, ao Expresso, da Pitchfork à Blitz e daí ao New York Times. Nesse álbum, a voz eterna de Elza encontra-se com a modernidade, entre os arranjos e guitarras de arrojo rock, e a electrónica cortante, de músicos que são parte da vanguarda musical de São Paulo, como Kiko Dinucci e Marcelo Cabral dos Metá Metá. Com a produção musical a cargo de Guilherme Kastrup, nas letras fortes e interventivas sobre o abuso sexual a violência doméstica e a discriminação racial, identifica-se um desejo de superação que em Elza Soares nunca desapareceu.

O New York Times garantia, ao render-se aos seus pés, que Elza continua indomável.

Aos 87 anos, em Abril de 2018, lança o segundo álbum de inéditos Deus é Mulher, pela editora Deck. Deus É Mulher é combativo, político, militante, punk, e um regresso do samba sujo dos músicos responsáveis por A Mulher do Fim do Mundo,  no entanto, neste novo trabalho, tudo soa mais exuberante e mais rico, de certa forma até mais intenso e apaixonado. Este disco conta também com a participação da artista brasileira Tulipa Ruiz e com o levantamento percussivo do bloco afro de São Paulo Ilú Obá De Min, com a percussionista Mariá Portugal e a clarinetista Maria Beraldo, entre outros.

Deus é Mulher foi já considerado pelo The New York Times como um dos dez melhores discos do ano (2018) e está nomeado para o Grammy Latino de “Melhor Álbum de Música Brasileira”.

 

 

Prémios e Nomeações “Deus É Mulher”

Prémio Multishow (importante premiação Pop brasileira)

Vencedora em duas categorias: Melhor gravação e melhor produtor (Guilherme Kastrup)

Nomeação para o Grammy Latino

“Melhor álbum de música brasileira”

Nomeação em duas categorias

WME Awards by Music

 

Prémios “A Mulher do Fim do Mundo”

Grammy Latino 2016

Categoria de melhor álbum de música popular brasileira


Um dos dez melhores discos do ano (2016),

The New York Times


Melhor Show Nacional

Folha de São Paulo e para o Estado de São Paulo


Melhor Álbum

APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes)


Melhor Álbum de 2015 e Melhor Música de 2015 (“Maria da Vila Matilde")

Revista Rolling Stone Brasil


Melhor Álbum na categoria Pop/ Rock/ Reggae/ Hip Hop/ Funk

27ª edição do Prémio da Música Brasileira 2016

 

Canção do Ano

Prémio Multishow 2016 (“Maria da Vila Matilde”)
 


The Guardian   ★ ★ ★ ★ ★
Songlines   ★ ★ ★ ★ ★
Financial Times   ★ ★ ★ ★ ☆
Mojo Magazine   ★ ★ ★ ★ ☆

PRESS

 

“Não tenho recordação de um trabalho com tanto poder nos últimos anos. O único que chega perto é, justamente, o disco anterior de Elza. Em muitos aspectos, a cantora carioca, tornou-se uma tradução de Brasil que precisa ser (re)conhecida por mais e mais gente, que parece tomada por uma forma maligna de amnésia. Um álbum político e incendiário.”

Carlos Eduardo Lima in Monkey Buzz (sobre “Deus é Mulher”)


“Intenso. Um grito de liberdade calcado em um dos melhores discos do ano” 
Fabiana Batistela, diretora da Semana Internacional de Música de São Paulo

"É unânime: Ela fez um álbum para a eternidade”

in Rolling Stone Brasil.
 
“Com ela, a cantora cujo trabalho “é falar de transfobia, de mulher, da discriminação, da consciência”, como disse do palco, cada nova aparição é como que uma revelação. Ela cantará até ao fim e nós iremos acompanhá-la, passo a passo, canção a canção.”  

Mário Lopes in Ípsilon
 
“NOS Primavera Sound sucumbiu ao canto de Elza Soares”  

Mónica Ferreira in Palco das Artes