Cocorosie

USA

Bianca e Sierra Casady são as duas irmãs que dão voz às CocoRosie. Com uma linguagem indie electrónica, uma espécie de "dream pop" que combina elementos musicais folclóricos, electrónicos, lo-fi e mundanos num som único e comovente, cantam relatos reveladores de coisas indizíveis, misturando uma infinidade de estilos e referências, como o hip-hop, o reggae, a música folk e a ópera. 


Como um todo, a música de CocoRosie é um diálogo psicologicamente íntimo entre as duas irmãs. Cada uma tem sua própria persona e entrega vocal; Bianca oferece verdades contundentes numa voz infantil, enquanto Sierra responde em tons puros e abertos, tocando uma variedade de instrumentos, incluindo harpa, flauta, piano e guitarra.


Em dez anos as CocoRosie, lançaram quatro álbuns: Gray Oceans (2010), The Adventures of Ghosthorse e Stillborn (2007), Noah's Ark (2005) e o seu primeiro álbum, La maison de mon rêve (2004) - cada um inspirando controvérsia e debate em quantidades iguais, fruto da audácia e da vontade das duas irmãs em assumir riscos nas suas propostas musicais. Essa forte visão criativa perpassa todos os aspectos do seu trabalho - na música, nos vídeos e na suas performances ao vivo, utilizam fantasias e composições teatrais que elas criam ao lado de cada novo corpo de músicas que produzem. Tales of a Grass Widow de 2013 foi considerado pela crítica como o seu melhor disco até ao momento.


Nos últimos anos têm se dedicado à criação de bandas sonoras, com inúmeras colaborações nas artes cénicas, óperas, dança e exposições.


Em 2015 lançaram Heartache City, um disco que regressa a uma abordagem mais simples, baseada na guitarra acústica e onde a electrónica é substituída por instrumentos mais antigos e alguns brinquedos musicais.
 


PRESS
 
“Grey Oceans by CocoRosie shows us a sliver of a secret ocean of high waves we wish to be part of in our dreams. CocoRosie is the shower we need now in the musical desert. “God Has a Voice She Speaks Through Me” … What a line!” Yoko Ono

"A música das CocoRosie é chocantemente bela, impossivelmente envolvente e, no fim de contas, alguma da minha música favorita feita nos dias de hoje." 
Nico Muhly

“Balancing beauty and pain, charm and repulsion, the aural and the visual – is a wholly comprehensive one and certainly is refreshing.”
Chris Mode in Walkerart Magazine

Grey Oceans is the Casady sister’s subtlest, most cohesive statement. (And it is a statement, something we need more of these days.)... It may seem downcast in a way, but like all of their work, it’s uplifting even when discussing tears, lost relations, a fear of sharks, these grey (and increasingly black) oceans... It’s for singing with a flashlight under a blanket. I’ve always found CocoRosie’s work honest and bravely naked — some of the most emotionally bare music you’ll hear….They give a lot of themselves (...) This album’s no different — a strange mix of strength and fragility. Also, their ear for melody is crystalline, their compositions so weirdly fathomless. It’s hard listening to the title track without getting goosebumps.
Brandon Stosuy in Stereogum